Comarca de Careiro Castanho/AM discute temas relacionados à infância e juventude com equipe da COIJ e rede de proteção

Acolhimento familiar, depoimento especial e nova legislação foram abordados no encontro.


 

juizrivaldonoroes

juizrivaldonoroes2

juizrivaldonoroes3

juizrivaldonoroes4

A Comarca de Careiro Castanho/AM recebeu na tarde de terça-feira (21/06) a equipe da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça do Amazonas (COIJ), que tem à frente a desembargadora Joana Meirelles, para uma roda de conversa com toda a rede de proteção da infância e juventude.

Participaram do encontro a servidora Valda Calderaro, da COIJ; o Juiz de Direito do Careiro Castanho, Rivaldo Norões; o promotor de Justiça Leonardo Tupinambá; a servidora do Poder Judiciário da Comarca, Lucélia Pimentel Maciel; a secretária municipal de Educação, Mara Alves de Lima; o secretário municipal de Administração, Jonas Almeida dos Santos; além de integrantes da rede de proteção, que envolve o conselho tutelar, secretarias de educação e saúde, Conselho de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), psicólogos e assistentes sociais.

Durante a conversa, a servidora Valda Calderaro falou sobre depoimento especial e escuta especializada (lei nº 13.4312/2021), explicando os conceitos distintos para os integrantes da rede para que saibam como deve funcionar cada procedimento.

No encontro, o juiz Rivaldo Norões informou que o fórum da comarca está em reforma, por parceria do TJAM e Prefeitura Municipal, e que a entrega deve ocorrer nas próximas semanas. “A estrutura vai ter uma sala de depoimento especial, montada de forma lúdica para receber crianças e adolescentes vítimas de algum tipo de violência, sexual, física ou psicológica, tentando ao máximo reduzir a chamada ‘revitimização’”, explicou o magistrado.

Também foi discutida a questão do acolhimento familiar, sobre a possibilidade de haver lei municipal neste sentido; diferente da adoção, o procedimento envolve famílias acolhedoras que ficam com a guarda das crianças tiradas do ambiente familiar temporariamente.

“Em comarcas de primeira entrância, como a nossa Comarca do Careiro Castanho/AM, não existe um local em que as crianças possam permanecer quando os pais são suspensos ou destituídos do poder familiar, ou com o afastamento dos menores do lar para sua própria proteção. A família acolhedora possui esse papel de recebê-las durante um período de tempo, garantindo seus direitos”, explica o magistrado. Ele ressaltou que a lei municipal é necessária, para haver dotação orçamentária e vinculação à Secretaria de Assistência Social do município, e que já está sendo tratada, para aplicação num futuro breve.

Além do acolhimento familiar, a roda de conversa abordou assuntos como a adoção e entrega voluntária de bebês, para orientação às pessoas que desejam adotar, a partir do pré-cadastro junto ao Conselho Nacional de Justiça (site do CNJ) e pedido de habilitação para adotar junto ao Poder Judiciário.

 “A nossa fala quanto aos temas adoção e entrega voluntária veio como uma forma de conscientizar a rede de proteção sobre o combate à ‘adoção à brasileira’ e a entrega ilegal de crianças a terceiros. Neste último, ressaltamos sobre a orientação de grávidas e mães de bebês que queiram realizar a entrega voluntária de seus filhos à adoção. Foi um despertar à rede para esses temas tão importantes como forma de fortalecimento dos instrumentos existentes nos municípios”, disse a servidora Valda Calderaro.

Lei Henry Borel

No encontro, o juiz Rivaldo Norões também falou sobre a Lei Henry Borel (lei nº 14.344/2022), abordando o tema e as novidades legislativas da lei que entrará em vigor em 08/07.

A lei torna crime hediondo homicídio contra menor de 14 anos e ficou conhecida por este nome por referência ao caso do menino de 4 anos, ocorrido no início de 2021 no Rio de Janeiro. Após aprovação pelo Congresso, foi sancionada sem vetos pelo presidente Jair Bolsonaro em 24/05/2022.

Segundo o texto normativo, a lei cria mecanismos para a prevenção e o enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a criança e o adolescente, nos termos do § 8º do artigo 226 e do § 4º do artigo 227 da Constituição Federal e das disposições específicas previstas em tratados, convenções ou acordos internacionais de que o Brasil seja parte; altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), e as Leis nº 7.210/1984 (Lei de Execução Penal), 8.069/1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), 8.072/1990 (Lei de Crimes Hediondos), e 13.431/2017, que estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência.

Projeto

Além de Careiro, a equipe da COIJ também esteve na Comarca de Manaquiri no dia 20/06, reunindo-se com a juíza Roseane do Vale Nascimento e com integrantes da rede de proteção local.

 Os encontros fazem parte de programação voltada ao projeto “SGD em Movimento: Diálogos do Sistema de Justiça em Defesa da Criança e do Adolescente do Amazonas”, que visa à promoção de diálogos entre os atores do sistema de garantia de direitos com ênfase na articulação do sistema de justiça em defesa da criança e do adolescente.

 Durante o ano de 2022 a COIJ e sua equipe estarão disponíveis para consolidar um dos objetivos do projeto, voltado à articulação para fins desenvolvimento e construção de fluxos de atendimento, implementação de projetos ou outras atividades que o município proponha em prol do público infantojuvenil.

 

Lei Henry Borel

https://www.planalto.gov.br/ccivil_03//_Ato2019-2022/2022/Lei/L14344.htm

 

#PraTodosVerem: Ao centro da foto principal aparece o juiz de Direito Rivaldo Norões, explanando durante a roda de conversa com a rede de proteção da infância e juventude.

 

Patricia Ruon Stachon

Fotos: Acervo COIJ

DIVISÃO DE DIVULGAÇÃO E IMPRENSA

Telefones | (92) 2129-6771
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

 

 

 

Save
Cookies user prefences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Accept
Decline