Direção do TJAM prestigia posse do ministro Luiz Fux na presidência do STF e do CNJ

Na mesma solenidade, com autoridades acompanhando por videoconferência, a ministra Rosa Weber foi empossada vice-presidente do Supremo Tribunal Federal.


Fux posseO presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), desembargador Domingos Jorge Chalub; a vice-presidente da Corte, desembargadora Carla Reis e a corregedora-geral de Justiça do Amazonas, desembargadora Nélia Caminha Jorge, prestigiaram na tarde desta quinta-feira (10), por meio de videoconferência, a solenidade de posse do ministro Luiz Fux, que passa a presidir o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no biênio 2020-2022.

O evento online contou com a participação de lideranças dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. Em virtude das medidas de prevenção à covid-19, o número de autoridades presentes em Plenário foi limitado e incluiu o presidente da República, Jair Bolsonaro. A sessão solene foi transmitida por canais oficiais de comunicação do STF e também pelo YouTube e a rede social Twitter.

Os desembargadores Domingos Chalub e Carla Reis expressaram votos de sucesso ao novo presidente do STF e do CNJ e à sua vice, ministra Rosa Weber, nas funções que desempenharão pelos próximos dois anos à frente do órgão máximo do Poder Judiciário.

A corregedora-geral de Justiça do Amazonas, desembargadora Nélia Caminha Jorge, também desejou ao ministro Luiz Fux uma gestão exitosa. “Acreditamos que, em razão de sua experiência como magistrado e trajetória jurídica, há de conduzir os dois órgãos, pelos próximos dois anos, com retidão, competência e sabedoria. Nesta oportunidade em que prestigiamos sua cerimônia de posse e o felicitamos por assumir a presidência da Corte Suprema e do CNJ, colocamo-nos à disposição para colaborar com sua gestão", destacou a desembargadora Nélia.

Saudação

Durante a solenidade, o ministro Marco Aurélio de Mello discursou e em seu pronunciamento destacou a trajetória dos ministros Luiz Fux e Rosa Weber e afirmou que os dois magistrados são "referenciais que lançaram, desde cedo, as sementes da perpetuidade, plantando-as de maneira generosa na seara da judicatura".

Já empossado, o ministro Luiz Fux, em um discurso que exaltou a importância do Judiciário para o desenvolvimento do País; a necessidade de harmonia entre os Poderes; e agradeceu de forma emocionada a seus familiares e amigos que contribuíram e contribuem para o desenvolvimento de suas funções como magistrado. Ele afirmou que pretende exercer com a máxima responsabilidade a função de presidente da Corte e anunciou que sua gestão à frente do STF e CNJ terá cinco eixos de atuação, sendo eles: a proteção aos direitos humanos e ao meio ambiente; a garantia da segurança jurídica; o combate à corrupção, ao crime organizado e à lavagem de dinheiro; o incentivo ao acesso à justiça digital e o fortelcmento da vocação constitucional do STF.

Perfil

O ministro Luiz Fux nasceu em 1953, no Rio de Janeiro. Formou-se em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), em 1976. Dois anos depois, passou a atuar como promotor de Justiça. Em 1983, ingressou na magistratura ao passar em primeiro lugar no concurso para juiz estadual.

Atuou também como juiz eleitoral, antes de ser nomeado desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), em 1997. Tornou-se ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2001. Assumiu uma das 11 cadeiras no Supremo Tribunal Federal (STF) em março de 2011, na vaga deixada por Eros Grau, que se aposentou.

 

 

Carlos de Souza - TJAM
(Com informação do portal do STF)

Foto : Nelson Jr./SCO/STF

DIVISÃO DE DIVULGAÇÃO E IMPRENSA
Telefones | (92) 2129-6771 / 99485-8526
E-mailEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

banner TJAM

WhatsApp Image 2020 06 10 at 11.27.56

Semana do Judiciário 9 de julho de 2020
Este programa é produzido pela edquipe da Divisão de Divulgação e Imprensa do TJAM.
Semana do Judiciário 9 de julho de 2020

00:09:00
Views: 170
Semana do Judiciário 9 de julho de 2020