Juíza vai ao encontro de indígenas que não puderam participar de casamento coletivo em Benjamin Constant

Os casais não compareceram à celebração por questões de saúde. A iniciativa da magistrada Luiziana Teles Anacleto garantiu direitos e realizou sonhos.


 

Casamento indígenaJuíza vai ao encontro de indígenas que não puderam participar de casamento coletivo em Benjamin Constant
Os casais não compareceram à celebração por questões de saúde. A iniciativa da magistrada Luiziana Teles Anacleto garantiu direitos e realizou sonhos.

Casamento indígena2Benjamin Constant – Dois casamentos civis foram celebrados na casa dos noivos, na Comunidade Porto Alegre, no município de Benjamin Constant (a 1.121 quilômetros a oeste da capital) por causa da impossibilidade das mulheres se deslocarem para cerimônia de casamento coletivo.

Jane Lázaro Inácio Ticuna, 21, deu à luz ao terceiro filho quando faltavam sete horas para o início da celebração em que estava previsto o casamento dela com Admilson Bibiano Pedro, 22, na Comunidade Feijoal, localizada a 15 minutos de lancha do local onde vivem e a cerca de uma hora da sede do município. “Eu mandei recado e o cacique avisou”, contou Admilson, que ficou preocupado com a chance de não oficializar o matrimônio.

Em outra residência, Luíza Gaspar Ferreira, 66, e Armando Santo Guedes, 63, também aguardavam com ansiedade a presença da magistrada Luiziana Teles Anacleto, que atua na comarca de Benjamin Constant, para oficializar a união civil. A idosa, que é diabética, precisou amputar o pé direito uma semana antes da celebração. Com a ajuda de um intérprete Tikuna, o casal contou que pretendia realizar o casamento civil para garantir direitos previdenciários na eventual morte de um dos noivos, considerando a idade dos dois.

Eles fazem parte do grupo de 1.612 indígenas da etnias Tikuna e Kokama participantes da maior cerimônia de casamento coletivo do Brasil, que aconteceu de 11 a 13 de fevereiro e movimentou 35 comunidades rurais, em cerimônias realizadas nas localidades de Feijoal, Filadélfia, Guanabara 3 e São Leopoldo.

As celebrações respeitaram as tradições culturais dos povos, que, com a iniciativa, conseguiram oficializar o casamento civil de maneira gratuita.

Para a juíza Luiziana Teles Anacleto, que presidiu a cerimonial em três comunidades rurais e foi ao encontro dos casais que não conseguiram participar do ato coletivo, a experiência foi enriquecedora. "Sinto-me honrada em poder fazer parte desse evento sublime e ao mesmo tempo grandioso. Uma verdadeira manifestação de cidadania", avaliou.

Ainda de acordo com a magistrada, "sair do ambiente forense e atravessar os rios do Amazonas para levar direitos e realizar sonhos é uma experiência ímpar". Para Anacleto, "Isso só demonstra o respeito que o poder judiciário nutre pelos povos indígenas, contribuindo para a consolidação de um Estado democrático e pluriétnico”, afirmou a juíza.

O evento foi organizado pela Defensoria Pública do Estado (DPE/AM), em parceria com a Fundação Nacional do Ìndio (Funai), a Corregedoria do Tribunal de Justiça do Amazonas (CGJ/TJAM), a Prefeitura local e o Governo do Estado Amazonas. Também contou com o apoio do Exército Brasileiro, da Marinha do Brasil, do Batalhão de Polícia Militar de Tabatinga e do Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Solimões (DSEI-ARS) no suporte logístico e de estrutura, considerando que todas as cerimônias ocorreram em locais de difícil acesso.

 


 

Dora Paula - CGJ
Com informações e fotos da Ascom DPE/AM
DIVISÃO DE DIVULGAÇÃO E IMPRENSA
Telefones | (92) 2129-6771 / 99485-8526
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

banner TJAM

WhatsApp Image 2020 06 10 at 11.27.56

Sessão Solene de Posse dos Novos Dirigentes do TJAM
Sessão Solene de Posse Virtual dos Novos Dirigentes do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas - Biênio 2020 a 2022.
Sessão Solene de Posse dos Novos Dirigentes do TJAM

00:00:00
Views: 1273
Sessão Solene de Posse dos Novos Dirigentes do TJAM