TJAM institui programa interno de assistência à mãe nutriz e amplia benefício da carga horária especial no período do aleitamento materno

Desde 2020 o benefício existia para servidoras do quadro efetivo, agora passa a alcançar também as magistradas, servidoras comissionadas e estagiárias do Poder Judiciário Estadual.


 

O Tribunal de Justiça do Amazonas decidiu ampliar para magistradas, servidoras comissionadas e estagiárias do Poder Judiciário Estadual que estejam na fase de amamentação de seus filhos, o benefício da redução da jornada de trabalho, após o retorno da licença-maternidade, até a criança completar um ano. A medida é destinada a incentivar o aleitamento materno, promover a integração da mãe com o filho, mesmo depois de encerrado o período da licença e, ainda, oferecer oportunidade e estímulo ao desenvolvimento socioafetivo da criança.

Desde 2020 o benefício já era concedido às servidoras efetivas do quadro do TJAM e a ampliação para os demais segmentos foi assegurada por meio da Portaria n.º 2.340, publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta terça-feira (26/07). Assinada pela presidente em exercício da Corte Estadual, desembargadora Maria das Graças Pessôa Figueiredo, a portaria institui o Programa de Assistência à Mãe Nutriz no âmbito do Tribunal.

Tanto a primeira medida – adotada em 2020, por meio da Portaria n.º 1.274 – quanto a instituição do Programa formalizado nesta terça-feira foram idealizadas e inseridas no plano de ações desenvolvido pelo Grupo de Trabalho de Incentivo à Participação Institucional Feminina no Poder Judiciário amazonense.

"A tranquilidade gerada pela possibilidade de continuação da amamentação do bebê favorece o desempenho profissional da servidora nos meses seguintes ao seu retorno ao serviço após a licença maternidade", destaca a Portaria assinada pela desembargadora Graça Figueiredo, acrescentando ainda que a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e o Ministério da Saúde recomendam o aleitamento materno exclusivo até os seis meses e, de forma complementar com outros alimentos, até os dois anos de idade ou mais, como medida de combate à redução da mortalidade infantil, sendo fonte de alimento, de vínculo entre mãe e filho e de proteção contra inúmeras doenças.

A desembargadora Mirza Telma Cunha, que preside o GT de Participação Feminina do TJAM, destacou a importância da Portaria, resultado de demanda discutida no âmbito do Grupo de Trabalho e acolhida pela Presidência do Tribunal. "Temos agora um Programa de Assistência à Mãe Nutriz, no âmbito do Tribunal, o que significa que temos uma política interna de incentivo e apoio ao aleitamento materno a partir da possibilidade que todas as nossas servidoras, magistradas e estagiárias que estejam na fase de amamentação de seus bebês possam ter uma carga horária especial, que lhes permitirá manter o aleitamento, mesmo após regressarem da licença-maternidade", afirmou a desembargadora Mirza.

Ela acrescentou que todos conhecem as vantagens do aleitamento materno para a saúde do bebê e frisou que a prática é importante, também, para a saúde da mãe e para o fortalecimento do vínculo desta com seu filho. "Então, estamos muito felizes por dar essa notícia e queremos reconhecer a sensibilidade da direção do nosso Tribunal, na pessoa do desembargador Pascarelli e da desembargadora Graça Figueiredo, por acolherem essa sugestão do GT de Participação Feminina", acrescentou a magistrada.

Regras

Conforme o art. 3.º da Portaria n.º 2.340/2022, será reduzida, mediante requerimento, a jornada de trabalho da mãe nutriz, no âmbito do Tribunal - cujo filho conte com até 1 ano de vida - , para quatro horas diárias para magistradas, servidoras efetivas e ocupantes de cargo em comissão; e para três horas diárias, no caso das estagiárias.

A redução de jornada de trabalho deverá ser solicitada pela servidora interessada, após o seu retorno da licença maternidade, e se dará com anuência da chefia imediata, devendo ser encaminhada à Secretaria de Gestão de Pessoas (SEGEP/DVINFF) para prestar as informações necessárias, e posteriormente à Secretaria-Geral de Administração para autorização definitiva.

A portaria especifica que deverão instruir o requerimento de obtenção do benefício, cópia da Certidão de Nascimento da criança e da Declaração de Aleitamento Materno (esta, além de constituir requisito para o pedido inicial da redução de jornada, deverá ser mensalmente apresentada para fins de comprovação da manutenção da condição de lactante).

 

 

Terezinha Torres

Foto: 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

Telefones | (92) 2129-6771
E-mail:                   Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

2022 - Mapa do Site
Save
Cookies user prefences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Accept
Decline