TJAM reforça atividades alusivas à Semana de Combate ao Assédio e à Discriminação, instituída pelo CNJ

Ações, que iniciaram no último dia 16/05, incluem informações sobre a temática nas mídias sociais do Tribunal, a realização de uma Roda de Conversa pela Eastjam e a inauguração de uma página no Portal do TJAM.


Assédio arte

Em atenção à Resolução n.º 450, de 12 de abril de 2022, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que instituiu a “Semana de Combate ao Assédio e à Discriminação” na agenda permanente dos Tribunais do País, o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) realiza neste mês uma série de ações relacionadas ao tema. Coordenadas pela Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Sexual e Discriminação do Judiciário Estadual, a qual tem à frente a desembargadora Carla Reis, as ações incluem campanha de esclarecimento nas redes sociais do TJAM e nos canais internos do comunicação do Tribunal; um evento organizado pela Escola de Aperfeiçoamento do Servidor (Eastjam) e o lançamento de uma página da Comissão no Portal do Tribunal.

As iniciativas também contam com o apoio da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Setic) e da Assessoria de Comunicação Social do TJAM.

A página da Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Sexual e Discriminação, que será inaugurada neste mês no portal oficial do TJAM (www.tjam.jus.br) reunirá informações sobre os objetivos da Comissão, as normativas do CNJ sobre o tema, como a Resolução n. º 351/2020, que instituiu a Política de Prevenção e Combate ao Assédio Moral, ao Assédio Sexual e à Discriminação; a composição das comissões constituídas pelo TJAM no 1.º e no 2.º Graus para acompanhar demandas sobre o assunto; o acesso a conteúdos de orientações sobre o tema; além de acesso a canais como "Fale Conosco".

No período de 16 a 20 o TJAM intensificou a campanha de orientação sobre o tema nas suas redes sociais (Instagram, Facebook, Twitter e Linkedin), com a publicação de cards. Com o tema "Assédio não tem desculpa. Tem lei!", a campanha trabalhou os conceitos de assédio moral, assédio sexual, discriminação, preconceito e capacitismo.

Roda de Conversa na Eastjam

Como parte das ações alusivas à “Semana de Combate ao Assédio e à Discriminação”, a Escola de Aperfeiçoamento do Servidor do Tribunal de Justiça do Amazonas  (Eastjam) e a Escola Superior de Magistratura do Amazonas (Esmam, por solicitação da Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Sexual e Discriminação do Judiciário Estadual, promoverão, na segunda-feira (dia 30 de maio), a partir de 10h, uma "Roda de Conversa" sobre as temáticas que são alvo da campanha. O evento terá a participação do juiz de Direito Saulo Góes Pinto; da advogada, ativista feminina e pesquisadora na área de sexualidade e gênero, Juliana Maria Duarte Marques; da promotora de Justiça do Estado, Karla Cristina da Silva Souza; e da professora da Universidade Federal do Amazonas e membro da Comissão de Assédio Moral da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) Maria Izabel Ovellar Heckmann. O objetivo é sensibilizar magistrados (as) e servidores (as) do TJAM, sobre a importância do combate ao assédio moral e sexual, e à discriminação no ambiente de trabalho.

Durante o evento da segunda-feira será feito o lançamento das atividades programadas para este ano no âmbito da Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Sexual e Discriminação do Judiciário Estadual, entre elas um seminário previsto para ocorrer na primeira semana de agosto.

“Dessa forma, com base na política institucional e na recomendação do Conselho Nacional de Justiça, reiteramos nosso compromisso em continuar promovendo capacitação e/ou treinamento com foco na referida temática”, afirmou o diretor Acadêmico da Eastjam, João Paulo Ramos Jacob. Ele destacou que no último dia 3 de maio, a Eastjam realizou, na modalidade à distância, a palestra intitulada “Cidadania, Democracia e Equidade de Gênero”, ministrada pela professora Nina Raniere. 

Cartilha

Em observância à Resolução n.º 351/2020, do CNJ, O TJAM criou a Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Sexual e à Discriminação, que tem como objetivo conscientizar, humanizar e coibir essas práticas antiéticas e criminosas. A partir disso, o TJAM elaborou uma cartilha de conscientização contra o assédio moral, sexual e discriminação no ambiente do trabalho.

A publicação, já disponível na Intranet e que também estará acessível na página da Comissão que será lançada no Portal do TJAM, traz a definição do que é assédio moral e no trabalho.

A exposição de pessoas a situações humilhantes e constrangedoras, de forma repetitiva e prolongada; a repetição deliberada de gestos, palavras e/ou comportamentos capazes de causar ofensa à personalidade, à dignidade ou à integridade psíquica ou física; a habitualidade da conduta e a intencionalidade são indispensáveis para a caracterização do assédio moral”, esclarece a cartilha.

A publicação orienta que o assédio realizado no ambiente de trabalho, seja na frente de outras pessoas ou em particular, “são ações realizadas com o objetivo de menosprezar a autoimagem do trabalhador, reduzir o seu valor ou denegrir o trabalho realizado”. É uma forma de violência que tem como objetivo desestabilizar emocional e profissionalmente o indivíduo, e pode ocorrer por meio de ações diretas (acusações, insultos, gritos, humilhações públicas) ou indiretas (propagação de boatos, isolamento, recusa na comunicação, fofocas e exclusão social). A vítima escolhida passa a ser hostilizada; ridicularizada; inferiorizada; culpabilizada e desacreditada no seu ambiente de trabalho. É uma conduta que traz danos à dignidade e à integridade do indivíduo, colocando sua saúde em risco e prejudicando o ambiente de trabalho.

Os assédios. como o sexual. podem ter como vítimas mulheres e homens, mas são as mulheres as principais atingidas com essa forma de violência no ambiente de trabalho: 47% delas já sofreram assédio sexual no trabalho segundo pesquisa do Linkedin e da consultoria de inovação social Think Eva.

E de acordo com o levantamento, a maioria das entrevistadas que já sofreram alguma forma de assédio sexual no ambiente de trabalho são negras (52%) e que recebem entre dois e seis salários mínimos (49%). Além disso, o Norte (63%) e Centro-Oeste (55%) têm uma concentração de relatos superior às demais regiões do País. Especificamente sobre o Norte, 63% das mulheres da região já sofreram assédio sexual no trabalho.

 

#PraTodosVerem - a arte que ilustra a matéria mostra o desenho de uma mulher, com a fisionomia de quem está constrangida e acuada. Dos lados esquerdo e direito, aparecem desenhos de mãos que apontam para a mulher e também figuras simbólicas de sugerem palavras dirigidas a ela.

 

 

Paulo André Nunes

Arte: Fenajud

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

Telefones | (92) 2129-6771
E-mail:   Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

2022 - Mapa do Site
Save
Cookies user prefences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Accept
Decline