TJAM | GRUPO DE MONITORAMENTO E FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA CARCERÁRIO E SOCIOEDUCATIVO

Eixo de ações estratégicas - Socioeducativo

CENTRAL DE VAGAS

Serviço responsável pela gestão e coordenação das vagas em unidades de internação, semiliberdade e internação provisória do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo. As principais diretrizes são a vedação à admissão de adolescentes acima das vagas; criação por normativa interinstitucional; estabelecimento de critérios objetivos; pedido de vaga instruído com documentação básica; medidas para esvaziar a unidade quando se aproximar da lotação máxima e divulgação de dados de atendimento.  Acesse a Resolução CNJ nº 367/2021 e o Manual da Resolução CNJ 367/2021 para maiores informações.

ATENDIMENTO INICIAL E NÚCLEOS DE ATENDIMENTO INTEGRADO

Serviço responsável pelo fomento à pactuação de fluxos para integração e agilidade do atendimento inicial a adolescente apreendido(a) em flagrante ou por força de ordem judicial e implementação de Núcleos de Atendimento Integrado nas capitais e cidades com maior adensamento populacional. As principais diretrizes são a pactuação de fluxo interinstitucional; condução imediata à autoridade judicial; controle de legalidade das apreensões; integração operacional dos órgãos; instância colegiada de gestão do NAI e divulgação de dados de atendimento. Acesse a Recomendação CNJ nº 87/2021 e o Manual Recomendação nº 87/2021 para maiores informações.

AUDIÊNCIAS CONCENTRADAS

Metodologia adotada para qualificação do momento de reavaliação das medidas socioeducativas de restrição e privação de liberdade, qualificando tanto o atendimento socioeducativo quanto a porta de saída do sistema. As principais diretrizes são as audiências presenciais com participação do MP, defesa técnica, adolescente e familiar nas dependências da unidade; encaminhamentos pós-audiência com outras instituições do Sistema de Garantia de Direitos (SGD); realização periódica com todos(as) os(as) adolescentes e monitoramento e divulgação de dados de atendimento. Com essas ações, pretende-se subsidiar e qualificar a atuação das autoridades judiciais e demais profissionais para assegurar os princípios da brevidade, legalidade e garantia de direitos e cidadania. Acesse a Recomendação CNJ nº 98/2021 e o Manual sobre Audiências Concentradas para maiores informações.

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO A ADOLESCENTES PÓS-CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA 

O Programa acompanha adolescentes e jovens na transição da extinção da medida socioeducativa de internação ou semiliberdade (fase conclusiva) e em até um ano após o seu cumprimento. Por adesão voluntária, auxilia na construção de novos vínculos com a comunidade e políticas públicas. Como ator essencial do Sistema de Garantia de Direitos (SGD), o Poder Judiciário apoia o Poder Executivo na implantação de ações que objetivam a inserção dos adolescentes e jovens nas políticas sociais do território para a promoção de seus direitos de cidadania, focando, principalmente, nas dimensões de escolarização e de educação profissional. Fomenta ainda, o acesso a esporte, cultura e lazer.

APRENDIZAGEM

Ação responsável pelo fomento e incentivo à aplicação de programas de Aprendizagem e Profissionalização no âmbito do Poder Judiciário, por meio da contratação de adolescentes e jovens em atendimento socioeducativo por órgãos do Sistema de Justiça (Rec. CNJ nº 61/2020) e o fortalecimento da articulação interinstitucional para ampliação de oferta de oportunidades de aprendizagem e qualificação profissional.

AÇÕES TRANSVERSAIS

Aas ações transversais têm como efeito o desenvolvimento e efetivação de atuações voltadas a Inspeção judicial; Enfrentamento da tortura; Populações com Vulnerabilidade acrescida; Saúde Mental; Política de Drogas; Documentação Civil; Articulação Internacional e Proteção dos Direitos Humanos; Grupo de Monitoramento e Fiscalização – GMF; Formação e cultura institucional e Adequação à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais.

INSPEÇÃO JUDICIAL E CNIUPS 

Ação visa a ofertar ferramentas para qualificar a realização das visitas de monitoramento e inspeção judicial nas unidades socioeducativas e nos programas de meio aberto (por amostra) por meio de metodologias explicadas em manual e novos formulários de inspeção no CNIUPS (Cadastro Nacional de Inspeções em Unidades e Programas Socioeducativos). As principais diretrizes são inspeções bimestrais e semestrais realizadas com a presença do(a) magistrado(a); entrevista a adolescentes; verificação de todos os espaços da unidade; apontamento de irregularidades e providências para saná-las. Acesse a Resolução CNJ 77/2009 e os Manuais de Orientação Técnica para Preenchimento do Cadastro Nacional de Inspeções em Programas/Serviços Socioeducativos para maiores informações.

logo gmf 003

Fórum Ministro Henoch Reis - 4° Andar
Av. Paraiba, s/n - São Francisco, Manaus - AM, 69079-265
Fone: (92) 2129-6722 Email: gmf@tjam.jus.br

 

Os Grupos de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário – GMFs consistem em estruturas dos Tribunais de Justiça e dos Tribunais Regionais Federais responsáveis, dentre outras atribuições, pela monitoração e fiscalização do sistema carcerário e do sistema de execução de medidas socioeducativas em âmbito local.

Junho 2024
D S
1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30
Save
Cookies user preferences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Publicidade
Youtube
Accept
Decline
Analítico
Google Analytics
Accept
Decline