TJAM | ESPAÇO MARIA DA PENHA

A 14.ª edição da campanha “Justiça pela Paz em Casa” teve mais de mil sentenças proferidas

Os números englobam os três "Juizados Maria da Penha", da capital, e sete comarcas do interior do Estado que realizaram a campanha no período de 19 a 23 de agosto.


 Pela Paz

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) computou nesta semana os números da 14.ª edição da campanha “Justiça pela Paz em Casa”, realizada entre os dias 19 e 23 de agosto, pelos Juizados Especializados no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher ("Juizados Maria da Penha"), da capital, e por sete comarcas do interior do Estado. Entre os dados, destacam-se o número de sentenças proferidas, de audiências realizadas e os julgamentos de casos de feminicídio.

De acordo com informações da Coordenadoria de Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do TJAM, que tem como coordenadora a desembargadora Carla Reis e subcoordenadora a juíza Elza Vitória de Mello, foram 1.093 sentenças proferidas, no período de esforço concentrado, no Estado, pelas unidades judiciárias participantes da campanha.

O número de audiências realizadas na semana chegou a 527. Além disso, ocorreram seis julgamentos de casos de feminicídio, realizados pela 2.ª Vara do Tribunal do Júri. Desse total, três resultaram em condenações dos acusados; dois em absolvição e um em desclassificação (quando o caso anteriormente classificado como tentativa de feminicídio recebe outra classificação, como lesão corporal grave, por exemplo).

Até o início da 14.ª edição da campanha “Justiça pela Paz em Casa”, o acervo de processos referentes à violência contra a mulher tramitando nos Tribunal era de 10.857, na capital; 8.041, no interior; totalizando 18.898 no Estado. O número atualizado, após a campanha, ainda está sendo fechado, mas ocorreu uma baixa significativa no acervo de processos.

“Durante a semana de esforço concentrado, houve a entrada de novos processos de violência doméstica e familiar contra a mulher, nos três "Juizados Maria da Penha", porém, com a realização da campanha conseguimos avançar o trâmite de processos mais antigos e dar a celeridade que o nosso jurisdicionado deseja. Em novembro, haverá uma nova edição da campanha e temos certeza de que com essas atividades estamos contribuindo para promover a paz social”, destacou a desembargadora Carla Reis, coordenadora da Coordenadoria de Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do TJAM.

Para a juíza Ana Lorena Gazinneo, titular do 1.º "Juizado Maria da Penha", que funciona no Fórum Azarias Menescal, no bairro Jorge Teixeira, a campanha foi um sucesso. “Comemoramos mais uma vez o sucesso do evento, não só pelos excelentes números alcançados em termos de audiências, sentenças e processo movimentados, mas, também, pelas atividades externas de conscientização da população sobre o tema 'Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher'. Iniciativas dessa natureza, como a panfletagem em terminais de ônibus, são de extrema importância para que as mulheres saibam como agir e quais locais procurar se, porventura, forem vítimas ou conhecerem alguém que sofreu uma violência”, afirma a magistrada.

A juíza Luciana Eira Nasser, titular do 2.º "Juizado Maria da Penha", considera que as mulheres têm mudado a percepção sobre a importância de denunciar situações em que são vítimas de violência. “O elevado número de casos de violência novos que chegam aos três Juizados demonstram que a vítima está mais encorajada para denunciar seus agressores e, portanto, mais confiante no Sistema de Justiça e na rede de proteção. E esse é exatamente o objetivo da campanha, impulsionar o julgamento dos processos, fornecendo uma Justiça célere e efetiva às vítimas de violência doméstica”, avaliou a magistrada.

Já o juiz Rayson de Souza e Silva, que responde pelo 3.º "Juizado Maria da Penha", destacou que a unidade atingiu seus objetivos nesta última edição do "Programa Justiça pela Paz em Casa". "O 3.º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher ensejou índice de 75% de êxito nas audiências judiciais com prolatação de sentenças terminativas e definitivas. E isso é muito significativo para, em geral, acelerar o fluxo dos trabalhos judiciários”, afirmou o magistrado.

Fábio Melo
Fotos: Lucas Queiroz

Revisão de texto: Joyce Tino

DIVISÃO DE DIVULGAÇÃO E IMPRENSA
Telefones | (92) 2129-6771 / 99485-8526
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Save
Cookies user prefences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Accept
Decline