“Toda mulher deve ser livre para escolher seus desígnios”, afirma ministro Fux

“O dia de hoje nos obriga a lembrar a opressão e a violência simbólica e física contra as mulheres. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desde sempre diz não ao machismo, ao sexismo e a misoginia de nossa sociedade. Nunca é demais reafirmar que toda mulher deve ser livre para escolher seus desígnios, desenvolvendo e realizando sua personalidade plenamente”. No discurso de abertura da 7ª reunião do Observatório de Direitos Humanos do Poder Judiciário, o presidente do CNJ, ministro Luiz Fux, reafirmou seu compromisso com a concretização de políticas públicas voltadas a defesa intransigente dos direitos humanos.

O Observatório é um órgão consultivo do CNJ que tem como objetivo adotar iniciativas no âmbito do Judiciário que promovam os direitos humanos e direitos fundamentais, com o apoio da sociedade civil e da Justiça. A reunião ocorreu nessa terça-feira (8/3), dia em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, e foi palco de manifestação contra as falas vazadas do deputado estadual Arthur do Val (SP) sobre as mulheres ucranianas.

A modelo e ativista Luiza Brunet foi a primeira a fazer duras críticas aos comentários “misóginos, insensíveis e desumanos, proferidos por uma figura pública brasileira sobre as mulheres que vivem uma situação de vulnerabilidade e de terror. [Elas são fáceis porque são pobres] é uma frase indigna e que nos envergonha. Todas as mulheres do mundo devem e merecem ser respeitadas”.

Instituído em 1975 pelas Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Internacional da Mulher contribui para dar visibilidade à luta das mulheres por igualdade de condições e acesso aos direitos humanos. A data também é palco em todo o mundo de reivindicações pelo fim do machismo e da violência de gênero. A biofarmacêutica Maria da Penha, que lutou para fazer a Justiça brasileira condenar seu ex-marido, que a deixou paraplégica em sucessivas tentativas de feminicídio, e inspirou o nome da Lei 11.340/2006 participou da reunião.

Maria da Penha ressaltou os avanços importantes e profundos que as lutas das mulheres alcançaram “globalmente falando”, mas ponderou haver um abismo “quando se trata da qualidade do status humano que a mulher possui, principalmente no que se refere à desigualdade econômica no mercado de trabalho e a negação dos princípios fundamentais por parte do estado democrático de direito, sobretudo em relação à violência principalmente em mulheres vulneráveis”.

Ela deixou um desafio para cada mulher e cada homem brasileiro: “quebrar os legados que negam, desqualificam e vulnerabilizam os processos de empoderamento feminino. É preciso romper com o ciclo da violência, da desigualdade de gênero, e do constrangimento na vida e na alma pelas limitações e entraves no acesso à Justiça e toda a sociedade deve estar envolvida nessa atuação”.

Ouvidoria

O presidente Luiz Fux lembrou que na terça-feira (8/3) houve a instalação da Ouvidoria Nacional da Mulher, instância para onde será possível encaminhar questões relativas a casos de violência contra as mulheres. A medida amplia os canais de acesso da população aos serviços prestados pela Justiça.

“A realidade mostra que temos ainda muito a fazer. Aqui [no Observatório] nos chegam inúmeros casos de violência contra as mulheres. Recentemente, nos deparamos com um caso de escravidão. Temos uma sociedade que viveu o regime da escravidão por 400 anos e naturalizou a violência contra mulheres negras, assim também com a prostituição de crianças. Temos o dever de mudar drasticamente essa cultura de exclusão. Temos o dever de ser feministas”, afirmou Fux, citando a escritora nigeriana Chimamanda Adichie.

O presidente do Instituto Avon, Daniel Silveira, atualizou o trabalho que vem sendo feito, em parceria com o CNJ, de pesquisa sobre aplicação da Lei Maria da Penha, que completa 16 anos em 2022.  O trabalho, inicialmente, analisa como tem se dado a aplicação da lei – mais especificamente as medidas protetivas de urgência -, para depois ser construído diagnóstico técnico sobre a eficácia dessas medidas, com a publicação de análises qualitativas e quantitativas desses anos de vigência da Lei Maria da Penha, considerada uma das principais legislações do mundo na temática do enfrentamento à violência doméstica.

Segundo Silveira, foram analisados mais de 2 milhões de processos que tramitaram entre 2015 a 2021. E os resultados preliminares revelaram a necessidade de aprimoramento no preenchimento dos dados e processos. “Não sabemos quem são as mulheres, como tramitam, quanto tempo leva para uma medida ser aplicada, quais os argumentos utilizados para se conceder ou não uma medida, entre outras questões. A falta de dados prejudica sabermos como está sendo aplicada a Lei Maria da Penha”, explicou. A próxima etapa do trabalho é transformar essas reflexões em ações, para que o preenchimento de dados seja específico e completo.

A reunião contou com a participação dos demais membros do Observatório, que apresentaram atualização de seus trabalhos. Foi o caso da desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) Teresa Cristina Gaulia sobre o Programa Justiça Itinerante, que há 18 anos atende os invisíveis sociais, os excluídos, como moradores de rua, presidiários, quilombolas e indígenas. “O juiz precisa sair do gabinete e fazer interface com a sociedade civil. A gente trabalha para fazer Justiça.”

Regina Bandeira  -  Agência CNJ de Notícias

Foto: Romulo Serpa/CNJ

esmam locationESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO AMAZONAS
Av. André Araújo - Aleixo, Tribunal de Justiça do Amazonas 
Centro Administrativo Des. José de Jesus Ferreira Lopes 
CEP: 69060-000;
Telefone: (92) 2129-6640
E-mail: esmam@tjam.jus.br

Save
Cookies user prefences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Accept
Decline