Empresas esperam que índice de quebra de contratos imobiliários no AM caia para menos de 5% com a Lei dos Distratos

A estimativa foi informada nesta quinta-feira, durante o seminário “Judiciário e o Mercado Imobiliário: Um Diálogo Necessário”, na Esmam.


WhatsApp Image 2019 03 21 at 18.53.47

Manaus (AM) - O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM) estima que a quebra de contratos imobiliários no Estado caia dos atuais WhatsApp Image 2019 03 21 at 19.06.33216% para menos de 5% anualmente com a Lei 13.786/2018, conhecida como a Lei dos Distratos, que entrou em vigor no País no final de dezembro do ano passado. WhatsApp Image 2019 03 21 at 18.50.48A informação é do presidente da entidade, Frank Souza, que abordou o assunto durante a realização do seminário “Judiciário e o Mercado Imobiliário: Um Diálogo 40475537433 a976f2f7b2 zNecessário”, nesta quinta-feira (21/3), com a participação do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luis Felipe Salomão, além de outras autoridades do 40475537703 963fc9e555 zsistema de Justiça e representantes do mercado imobiliário local e nacional.46718391274 0a891ef39c z

“Os índices em 2013, no auge da recessão econômica, chegaram a 40% - somente em relação aos distratos -, uma situação que inviabilizou uma série de 46718394564 661644ce9b zinvestimentos e que se perdurou até 2016. Nesse meio tempo, muitas empresas não conseguiram equilibrar seus investimentos. Hoje, estamos com o índice (distratos) em torno de 16% e, com a lei sancionada em 2018, que é o grande marco em relação ao equilíbrio dos valores a serem pagos tanto pelo comprador do imóvel, quanto pela incorporadora em caso de distrato, esse percentual deverá cair para 5% a 3%”, declarou Frank Souza, lembrando que uma das consequências 46718394054 a8266cb3f8 zdas quebras contratuais foi o fechamento de mais de 30 mil postos de trabalho na construção civil amazonense.WhatsApp Image 2019 03 21 at 19.06.292

“A quebra de contrato é ruim para todos, inclusive para o equilíbrio de quem está pagando e precisa do seu imóvel. Esperamos que o mercado volte à normalidade e que o crescimento (novos empreendimentos) seja de, no mínimo, 10% daqui para frente”, acrescentou.

Para o desembargador Werson Rêgo, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), que foi um dos palestrantes convidados do seminário, a Lei 13.786/2018 trouxe regras mais claras. “A principal função da nova lei foi trazer segurança jurídica, previsibilidade e mais clareza em relação aos direitos e deveres tanto das incorporadoras quanto dos adquirentes de imóveis”, comentou o magistrado carioca. Ainda segundo ele, o volume nacional de distratos em 2016 chegou ao patamar de 46% dos negócios celebrados no setor imobiliário na época.

“É um número impressionante e que gera um impacto econômico brutal para o mercado imobiliário, inviabilizando não apenas as incorporações, mas também o direito de consumidores que se programaram para adquirir unidades na planta por conta da impossibilidade de se dar andamento ao empreendimento iniciado”, acrescentou o magistrado do TJRJ.

Em relação à nova lei, o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM), Albano Maximo, disse que precisava haver uma estabilidade jurídica maior. “O assunto distrato é ‘filho’ da crise econômica, embora suas consequências tenham sido maiores e a nova Lei está sendo incompreendida; o que ela estabelece são limites para desconto, entre outros dispositivos”, explicou, ao destacar os motivos da realização do seminário na capital.

STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luis Felipe Salomão, palestrante convidado do painel “Distratos: A Lei 13.786/2018 e a Segurança Jurídica”, disse que a lei ainda é recente e que, no âmbito do Judiciário, as decisões já observam a nova legislação. “As decisões ainda estão começando a ser proferidas para depois ter recurso e chegar ao STJ. Então, ainda demora um pouco. O que a lei procurou fazer foi estabelecer um marco legal, disciplinando a questão da resolução contratual, a forma de devolução, de indenização, mas ainda é muito cedo para se colher resultados positivos ou negativos. Na verdade, no STJ, nós já tínhamos uma jurisprudência consolidada, analisando o Código de Defesa do Consumidor, a Lei de Loteamentos, de Incorporação, o próprio Código Civil e agora isso vai precisar de uma depuração para saber qual o rumo que a jurisprudência vai tomar”, declarou o ministro.

Seminário

O “Seminário Judiciário e o Mercado Imobiliário: Um Diálogo Necessário” começou por volta das 15h, no auditório do Centro Administrativo Desembargador José Jesus Ferreira Lopes, prédio anexo ao edifício-sede do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), no bairro do Aleixo, zona Centro-Sul de Manaus. Mais de 490 pessoas se inscreveram gratuitamente no evento, aberto a profissionais e acadêmicos de qualquer área.

O diretor da Escola Superior da Magistratura do Amazonas (Esmam), desembargador Flávio Pascarelli, destacou a importância do debate em torno da Lei 13.786/2018, sobretudo o que ela trouxe para consumidores e o mercado imobiliário. “As demandas são muito grandes, a lei é nova, tem as interpretações dos seus dispositivos pelo Judiciário e estamos tentando encontrar um caminho para as decisões judiciais”, ressaltou Pascarelli.

O desembargador Elci Simões, ouvidor-geral da corte de Justiça e que presidiu o primeiro painel do seminário – “A Atuação do Judiciário na Incorporação Imobiliária” -, também ressaltou a importância da realização de um evento com esse tema, tendo a participação de membros do sistema de Justiça. “Esse debate é de suma importância também para advogados, defensores públicos, juízes e desembargadores que diariamente atuam em processos judiciais relacionados à incorporação imobiliária. Sabe-se que em torno de 40% dos contratos foram desfeitos por desistência do comprador e isso também levou a uma crise sem precedentes para o setor imobiliário e a construção civil. E é preciso um diálogo”, afirmou.

O evento foi realizado pela Esmam, TJAM, Ademi-AM, Sinduscon-AM, Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e Senai.

Acesse mais fotos aqui !

Texto: Acyane do Valle | ESMAM

Colaboração: Assessoria de Imprensa do Sinduscon-AM e Ademi-AM

Fotos: Lucas Lobo | ESMAM

NÚCLEO DE DIVULGAÇÃO DA ESMAM

Telefone: (92) 2129-6640 | 6608

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

esmam locationESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO AMAZONAS
Av. André Araújo - Aleixo, Tribunal de Justiça do Amazonas 
Centro Administrativo Des. José de Jesus Ferreira Lopes 
CEP: 69060-000;
Telefone: (92) 2129-6640
E-mail: esmam@tjam.jus.br

Save
Cookies user prefences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Accept
Decline