TJAM | CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA

corregedoria@tjam.jus.br   (92) 2129-6677

Em Maués, casamento coletivo formaliza a união civil de mais de 350 casais, incluindo indígenas da etnia Sateré-Mawé

Casamento Coletivo Maués 1

Cerimônia foi organizada pela Prefeitura local e pela Defensoria Pública Estadual com o apoio da Corregedoria-geral de Justiça do Amazonas e Ministério Público Estadual.


Distante 257 quilômetros de Manaus, o município de Maués registrou, no último final de semana, a realização do maior casamento coletivo já realizado em seu território desde sua fundação, em 1833. Em uma iniciativa da Defensoria Pública Estadual (DPE-AM) e da prefeitura local, com o apoio da Corregedoria-geral de Justiça do Amazonas (CGJ/AM) e do Ministério Público Estadual (MPE), 370 casais disseram o “sim” em evento que foi realizado em duas etapas, a primeira na sede do município, no último dia 11, e a segunda na Aldeia Vila Nova 2 (na região do Rio Marau), no último dia 12.

Ao lado da, agora esposa Eunice da Silva, o indígena da etnia Sateré-Mawé, Henrique Pereira, 44, o momento foi de celebrar. “Estamos juntos há mais de 30 anos e hoje é momento de agradecer por este momento tão importante para nós. Temos 9 filhos, às vezes, passamos por dificuldades mas, mesmo assim, a gente busca os nossos sonhos. O momento, hoje, é de agradecer a Deus e aos que contribuíram para a realização deste casamento”, disse.

O casal Solivan Gonçalves e Eriane Batista – ambos com 21 anos e também indígenas da etnia Sateré-Mawé – também estiveram entre os nubentes que formalizaram a união civil na oportunidade. Para Solivan, a celebração foi motivo de alegria, marcando o início de um novo ciclo para ambos. “O casamento é muito importante para nossa vida, pois vamos construir uma família e esperamos que ela seja abençoada”, afirmou.

Octogenário

Além de indígenas da etnia Sateré-Mawé, casais não indígenas, como Mizael Fonseca (de 80 anos) e Maria Anízia (de 67 anos) também tiveram a oportunidade de formalizar a união civil. Para eles, mesmo com o longo tempo de convívio juntos – 46 anos, com 7 filhos e 5 netos– o entusiasmo em se casar foi grande. “Estamos juntos há muito tempo, mas Deus abriu essa porta e nós entramos”, disse Mizael, complementado por Anízia, que acrescentou: “Agora, 'marido e mulher', também no papel”, comentou, emocionada.

Celebração

A celebração selou a união civil de 740 pessoas e casais como Henrique Pereira, 44 e Eunice Juliete da Silva, 39 – ambos da etnia Sateré-Mawé – tiveram a oportunidade de concretizar um sonho: o de celebrar a união civil em uma solenidade que foi marcada pela emoção dos casais que já conviviam há dezenas de anos, alguns já com netos, inclusive, e também de jovens nubentes, que com a celebração vislumbram a oportunidade de dar início a um novo ciclo familiar.

Com direito à decoração, grupo musical, painel temático para o registro de fotos, pajens, damas de honra e, é claro, troca de alianças, foi toda organizada pela Defensoria Pública Estadual e pela prefeitura municipal de Maués. Já a parte documental foi realizada pelo Cartório do 1º Ofício de Maués, com o apoio da Corregedoria-geral de Justiça do Amazonas (CGJ/AM).

Dada a magnitude do evento, o casamento coletivo foi realizado em duas cerimônias: a primeira no ginásio Deodato de Miranda Leão, na sede urbana do município de Maués e a segunda na Aldeia Vila Nova 2, na região do Rio Marau (zona rural do município).

As duas cerimônias foram prestigiadas pelas famílias dos casais e por autoridades, dentre as quais, o defensor-público geral do Estado do Amazonas, Ricardo Paiva; do procurador geral de Justiça do Amazonas, Alberto Rodrigues do Nascimento Júnior; do juiz da 2ª Vara da Comarca de Maués, no ato representando o Poder Judiciário Estadual, Paulo Benevides; do prefeito municipal de Maués, Junior Leite e da juíza de paz e tabeliã substituta do Cartório do 1º Ofício de Maués, Jenise Deline Alves, esta última, a celebrante do casamento.

Representando o Poder Judiciário na ocasião, o juiz da 2ª Vara da Comarca de Maués, Paulo Benevides, frisou a importância da ocasião para os noivos e para a comunidade local. “Para nós é uma satisfação muito grande poder ver que a comunidade está dando efetividade ao art. 226 da Constituição, que privilegia a família. Com este evento vemos nascer, no seio da comunidade, a família, que é célula mater da sociedade. Um evento coletivo como este, é de uma significação muito grande e destacamos o esforço do Poder Público – e a Defensoria Pública atuou muito na promoção deste evento – buscando dar efetividade ao que prezamos tanto que é a obediência à Constituição e às leis. Por todos estes motivos, ficamos muito satisfeitos com o resultado”, apontou o magistrado.

Ao celebrar o casamento coletivo civil, a juíza de paz e tabeliã substituta do Cartório do 1º Ofício de Maués, Jenise Deline Alves, falou da satisfação em colaborar com este importante momento para a comunidade local. “Foi muito gratificante, para mim, participar e contribuir com esta celebração que marca o início de novos ciclos familiares e também regulariza uniões que, até então, não haviam sido registradas. Todos estão de parabéns: os casais e o poder público pela iniciativa”, comentou.

 

Afonso Júnior

Foto: Evandro Seixas

SETOR DE COMUNICAÇÃO

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Save
Cookies user prefences
We use cookies to ensure you to get the best experience on our website. If you decline the use of cookies, this website may not function as expected.
Accept all
Decline all
Analytics
Tools used to analyze the data to measure the effectiveness of a website and to understand how it works.
Google Analytics
Accept
Decline